Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/07/13 às 19h09 - Atualizado em 10/07/13 às 19h12

Setur conhece programa de voluntários da Universíade

COMPARTILHAR

A subsecretária de fomento e eventos estratégicos da secretaria de Turismo do Distrito Federal, Flávia Malkine, que coordenou os voluntários que estavam sob a responsabilidade da Setur-DF na Copa das Confederações, participou nesta quarta-feira (10) de uma reunião com a gerente de voluntários da Universíade de Kazan, Dasha Sikorskaya, e a coordenadora de attachés, Dilyara Iskakova, para entender como funcionou o programa de voluntariado da Olimpíada Universitária.

“Participei dessa reunião já pensando na Gymnasiade que acontecerá em novembro deste ano em Brasília e na Copa do Mundo de 2014, para ver como podemos aperfeiçoar o programa que já oferecemos na Copa das Confederações de 2103.”, explicou Malkine.

Ao todo foram 20 mil voluntários para toda a Universíade, sendo 280 attachés, que ficavam a disposição dos delegados dos países que participaram da Olimpíada. Todos preencheram questionários online e fizeram entrevistas para ver em que posição melhor se encaixavam. Dilyara Iskakova foi voluntária por 2 anos em eventos esportivos e este ano coordenou os attachés. Para ela, que já esteve dos dois lados, o programa de voluntário é bom para o evento e para aqueles que se candidatam a ajudar. “É uma experiência maravilhosa. Possibilita conhecer pessoas de outros países, praticar línguas, conhecer às competições”, disse ela.

Os voluntários da Universiade foram distribuídos em diversos pontos como os centros de treinamento, aeroporto, hotéis, vila olímpica, centro internacional e pontos turísticos. O treinamento deles foi dividido em 4 partes sendo elas informação geral, funções e casos de desafio 4h.

Voluntariado em Brasília

Em Brasília foram cerca de 600 voluntários que participaram do programa do governo e 100 estavam sob a responsabilidade as Setur-DF nos 7 postos de atendimento ao turista montados para ampliar o atendimento aos torcedores brasilienses e de fora que vieram assistir a partida entre Brasil e Japão.

Para a Gymnasiade e a Copa do Mundo a ideia é ampliar a participação desses jovens.